background image

Consagrados ao Coração

de Maria desde 1967

Detalhe

16-3-2017

Venezuela: Igreja empenhada na distribuição de comida junto das populações mais afectadas pela crise


Agrava-se a cada dia que passa a situação de milhares de venezuelanos que não têm recursos económicos para a própria sobrevivência. Com a economia em acelerado colapso, são cada vez mais as famílias mergulhadas na mais absoluta pobreza.


Como a Fundação AIS referiu na semana passada, o Arcebispo de Ciudad Bolivar, D. Ulises Antonio Gutiérrez Reyes, denunciou isso mesmo afirmando que há cada vez mais pessoas que são forçadas a procurar nos caixotes do lixo restos de comida pois já “não têm nada para comer”. 


A Igreja Católica tem procurado ajudar as famílias que estão em situação mais desesperada. Em algumas paróquias, a mobilização solidária dos cristãos tem ajudado a ultrapassar as primeiras necessidades no que diz respeito à distribuição de alimentos. 


Na Paróquia de São Francisco de Assis, na Arquidiocese de Barquisimeto, foi criado um espaço - “a panela solidária” -, onde se cozinha diariamente para as pessoas com maiores carências. 


Segundo o padre Jesús Martínez, citado pela agência Fides, a situação na Venezuela “é muito crítica, e, como Igreja, somos chamados a ajudar os necessitados, como Jesus nos ensina no Evangelho”. 


O exemplo da paróquia de São Francisco de Assis está a ser repetido por outras estruturas locais da Igreja Católica, numa rede assistencial ao serviço dos mais pobres da sociedade.


Na paróquia, todos os dias se preparam cinco grandes panelas que servem para alimentar cerca de meio milhar de pessoas. Esta experiência começou em Outubro do ano passado e inseriu-se no Jubileu da Misericórdia.


A Venezuela está mergulhada numa gravíssima crise económica, calculando-se que cerca de 82% dos seus habitantes estejam a viver uma situação trágica, sem recursos económicos suficientes para a própria sobrevivência. A própria Assembleia Nacional da Venezuela, composta maioritariamente pelos partidos da oposição, já decretou o estado de emergência alimentar no país.


Os baixos salários e o aumento constante do preço dos alimentos provocaram a pobreza generalizada da maioria da população.  O trabalho solidário que se verifica na paróquia de São Francisco de Assis ocorre um pouco por todo o lado pois, na verdade, são cada vez mais as pessoas que procuram a Igreja e as suas instituições em busca de comida e de medicamentos.


Como resposta a tantos pedidos de auxílio, a Igreja venezuelana lançou uma campanha para esta Quaresma em que se pede aos fiéis para compartilharem os seus bens com os que passam por mais necessidades.


D. Gutierrez, na declaração que proferiu na semana passada e que foi citada pela Fundação AIS, apontou o dedo ao governo de Nicolás Maduro como sendo o grande responsável por esta situação, dizendo que o povo venezuelano não merece viver assim.


Segundo o prelado, o país tem muitos recursos. “Creio que este governo está a administrar muito mal os recursos e as riquezas do país”, comentou. 



PA| Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt 


 

OBSERVATÓRIO: Venezuela

 






*Sem Comentários
deixar comentario
Mês:
 

Um milhão de crianças rezam o terço


18-10-2017

catalogo