background image

Consagrados ao Coração

de Maria desde 1967

Detalhe

1-9-2017

BURKINA FASO: Ajuda para o centro de apoio à gravidez para raparigas e mães solteiras em Dedougou


Assim que Antoinette disse ao namorado que estava grávida, ele fechou-lhe a porta na cara. De repente, não quis mais saber dela. E o seu tio, em cuja casa estava a viver, expulsou-a, pura e simplesmente, quando soube do seu estado. A rapariga, de 16 anos, ficou completamente sozinha. Mas, felizmente, a história acabou bem. Uma vizinha falou-lhe do centro de cuidados para grávidas e mães solteiras, dirigido pela Igreja Católica, em Dedougou. Conseguiu arranjar abrigo ali e agora pode dar à luz, numa atmosfera de amor e apoio.

A história de Antoinette é comum a muitas jovens no Burkina Faso. Socialmente falando, as mulheres estão no patamar mais baixo. Só 14% sabe ler e escrever, e o número das jovens que tentam educar um ou mais filhos sozinhas está a crescer. A maior parte das vezes, o pai não aceita ser responsável pelas crianças. A maior parte destas raparigas são de famílias pobres e desfavorecidas e, muitas vezes, não têm ninguém para tomar conta delas. De facto, muitas são órfãs.
 
Burkina Faso: Ajuda para o Centro de apoio à gravidez para raparigas e mães solteiras em Dedougou
 
Quando engravidam são expulsas de casa ou obrigadas a abortar. Algumas dão à luz e abandonam o bebé num canto da rua. Muitas delas já são obrigadas a dormir na rua, uma vez que não têm para onde ir. Outras fogem de um casamento de conveniência e outras ainda já foram atiradas para a prostituição. Mas muitas destas adolescentes e jovens só acabam na prostituição porque não têm outro modo de tomar conta de si próprias ou do seu bebé
 
Este é, muitas vezes, o início de um ciclo vicioso no qual ficam infectadas com o vírus da Sida e acabam numa situação ainda pior que a anterior. Acontece também, frequentemente, que pouco tempo depois ficam novamente grávidas, agravando ainda mais as dificuldades da sua vida. E, tristemente, muitas destas jovens acabam num desespero tal que se suicidam.
 
O centro para jovens mães, em Dedougou, é um refúgio para muitas raparigas e jovens que acabaram em tais situações desesperadas. Aqui são-lhes dados apoio e conselhos, a oportunidade de continuar a estudar – ou de ir à escola pela primeira vez – e também a oportunidade de desenvolver aptidões, como por exemplo de cabeleireira. Para muitas, esta é a primeira vez na vida que alguém se preocupa com elas ou as ajuda. Aqui, aprendem a sentir-se valorizadas e seguras, e podem dar à luz em paz e segurança, começando a olhar para um futuro melhor.
 
A Fundação AIS já ajuda este centro há algum tempo. E graças à generosidade dos nossos benefitores, prometemos que iremos ajudar mais uma vez com 15.000€.
 
 
Donativo »
 





 

OBSERVATÓRIO:

 






*Sem Comentários
deixar comentario
Mês:
 

Um milhão de crianças rezam o terço


18-10-2017

catalogo