<
background image

Dê aos cristãos

a oportunidade de voltar para casa

Saiba mais

 
Ásia
Array
   Muçulmanos
   Cristãos
   Agnósticos/Ateus
Católicos Baptizados
401.000
Circunscrições Eclesiásticas
18
Superfície
185.180
População
20.866.000
Refugiados
6.195
Desalojados
1.500.000
Síria

Uma situação em mudança

Desde Março de 2011, a Síria tem passado por uma instabilidade extrema. A oposição ao Presidente Bashar El-Assad, cujo regime ditatorial é inspirado na ideologia secularista do Partido Baas e que confia na minoria alauíta, está a ser violentamente reprimida pelo exército e pelas forças de segurança. A 26 de Fevereiro de 2012, foi pedido aos sírios que votassem num referendo sobre várias alterações constitucionais. Aprovado em 90% pelos que votaram, de acordo com dados disponibilizados pelo governo de Damasco, o novo texto altera sobretudo o Artigo 8, que até então tinha garantido que o Partido Baas era o pilar do Estado e da sociedade, abrindo assim caminho para um sistema multipartidário. (1)

Esta reforma não pôs fim ao levantamento popular ou à repressão. O movimento, que inicialmente era um protesto exigindo maior liberdade e democracia, tornou-se lentamente numa revolução islâmica e está cada vez mais a tornar-se numa guerra civil interconfessional. Esta revolução é apoiada por muitos estados sunitas no Próximo Oriente e beneficia da chegada à Síria de mercenários armados que também são sunitas. (2)

Embora sejam a favor de algum tipo de reforma, os cristãos na Síria não aderiram em geral aos movimentos de oposição. Os líderes religiosos avisaram o Ocidente sobre as consequências da queda do regime de Bashar El-Assad. Manter o islamismo “amordaçado” garante pelo menos que os cristãos e outras minorias (alauítas, druzes) tenham segurança e liberdade de culto. Os cristãos estão conscientes de que se arriscam a tornar-se objectos de retaliação por parte dos islamistas e a serem acusados de terem apoiado o regime. (3)

A situação, quando este Relatório foi elaborado, é confusa e o resultado final não é previsível.

A cidade de Homs, em particular, teve uma redução em relação aos 230.000 habitantes que tinha, por causa dos combates que duram há meses.

Numa declaração à (?) Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (FAIS), vários membros da Igreja Síria descrevem um cenário muito mais complexo do que o que é noticiado pelos meios de comunicação ocidentais: “A situação na Síria é muito mais complexa e difícil de avaliar do que os meios de comunicação no Ocidente o fazem parecer.” Muitos meios de comunicação estão simplesmente a realizar reportagens pouco consistentes. “Eles parecem estar a ignorar que também há lutas internas de poder e tensões religiosas entre os diferentes grupos muçulmanos, feudos tribais e actos de vingança de ocorrência diária, e que o crime está a aumentar no país devido à situação instável.” (4)


(1)  AsiaNews, 5 de Março de 2012
(2)  AsiaNews, 24 de Maio de 2012
(3)  Agência Fides, 16 de Maio de 2011
(4)  www.acnuk.org/news.php/348/syria-media-not-telling-the-truth-about-conflict-says-expert



« Voltar