<
background image

Dê aos cristãos

a oportunidade de voltar para casa

Saiba mais

 
África
Array
   Animistas
   Cristãos
   Muçulmanos
   Outras Religiões
Católicos Baptizados
307.000
Circunscrições Eclesiásticas
3
Superfície
111.369
População
4.101.767
Refugiados
128.285
Desalojados
Libéria
A Libéria é um estado secular e o Artigo 14º da Constituição de 1985 garante a liberdade religiosa. Todos os grupos religiosos são obrigados a registar-se e a assinar uma declaração que esboça os objectivos da sua organização. O Governo permite a instrução religiosa nas escolas. A instrução religiosa, particularmente a cristã, encontra-se disponível nas escolas públicas, mas essas disciplinas não são obrigatórias.

O Cristianismo é professado por aproximadamente 40% da população, enquanto os outros habitantes são muçulmanos (cerca de 20%) ou seguem religiões africanas tradicionais.

Durante o período coberto por este relatório, a Libéria foi testemunha de duas administrações sucessivas, nomeadamente o Governo Transitório Nacional da Libéria (NTGL), que exerceu funções desde Outubro de 2003 a Dezembro de 2006, e o Governo democraticamente eleito liderado pela presidenta Ellen Johnson Sirleaf, que iniciou funções em 16 de Janeiro de 2006, sendo a primeira mulher a ser eleita para a presidência de um país no continente africano. Várias personalidades internacionais proeminentes estiveram presentes na cerimónia de tomada de posse da presidente, que decorreu em Monróvia.

Em 2006, o antigo ditador Charles Taylor, em exílio na Nigéria desde 2003, foi detido e entregue ao Tribunal Internacional para os Crimes de Guerra e acusado de massacres, mutilações e redução à escravatura de dezenas de milhares de civis. Estes crimes foram perpetrados pelas milícias da Frente Revolucionária Unida durante uma guerra civil que durou catorze anos e que causou a morte a cerca de 250 mil pessoas.

Em Julho de 2006, por razões de segurança, e enquanto medida anti-terrorismo, a polícia pediu às mulheres muçulmanas para não usarem o véu em público, sem, no entanto, o proibirem. Isto resultou em objecções por parte dos líderes religiosos muçulmanos, os quais consideraram este pedido discriminatório.

O Governo castiga severamente todas as matanças rituais, que ainda são generalizadas, sobretudo nas zonas rurais.



« Voltar