background image

Detalhe

28-6-2010

Paquistão: Religiosos cristãos e muçulmanos unidos no combate ao terrorismo


Enquanto é grande a tensão por causa dos atentados terroristas, e as minorias religiosas avançam na campanha contra as discriminações, a Igreja no Paquistão prossegue no caminho do diálogo inter-religioso, na esperança de estabelecer uma ligação com os líderes islâmicos.

Promover a paz e combater juntos o terrorismo no Paquistão: com esta finalidade encontraram-se nos últimos dias em Lahore mais de 200 sacerdotes e religiosos católicos, imãs e líderes islâmicos, que discutiram a atual situação do país, infestado pelo terrorismo e pela violência. Como informaram as fontes da Fides presentes no encontro, os religiosos concordaram em procurar caminhos de cooperação para debelar o extremismo e promover a harmonia na sociedade.


A conferência foi presidida pelo Bispo auxiliar de Lahore, Dom. Sebastian F. Shaw OFM e organizada pela Comissão Nacional para o Diálogo Inter-religioso no âmbito da Conferência Episcopal. Os ministros de culto das duas comunidades promoveram um debate aberto e se uniram na luta contra o terrorismo: “Ao lado dos cristãos, muitos muçulmanos foram vítimas do terrorismo. A paz é um bem comum e o respeito recíproco entre os fiéis é uma garantia de paz. Cada ser humano é respeitado”, ressaltou um religioso islâmico.


Syed Waseem Samad, à frente da Comissão governamental para o diálogo inter-religioso, participante do encontro, assegurou que o governo pretende garantir os mesmos direitos e oportunidades iguais a todos os cidadãos e fazer respeitar os direitos humanos, convidando o National Council for Inter-faith Dialogue (NCID) a prosseguir com os seus esforços pela paz e a unidade do Paquistão.


A assembleia, ao final de seus trabalhos, assumiu uma resolução, que chegou à Agência Fides, que afirma: “Condenamos as vinhetas ofensivas sobre o Profeta Maomé e pedimos à comunidade internacional o respeito por todos os símbolos religiosos; concordamos em promover juntos a paz no país; condenamos os discursos que incitam o ódio e admiramos quem age pelo bem comum; pedimos aos meios de comunicação que relatem com mais frequência histórias que mostram exemplos de paz e de tolerância no Paquistão”.

 

Fonte: Agência Fides

 


 

O Secretariado Francês da Ajuda à Igreja que Sofre lançou em Junho, uma petição para abolir a "Lei da Blasfémia", no Paquistão.

 

O texto da petição diz o seguinte:

“Pedimos ao governo do Paquistão para abolir imediatamente a lei anti-blasfémia, sobretudo o parágrafo n.º 295C do código Penal que prevê a pena de morte aos culpados; pedimos ao governo para garantir os direitos de todas as minorias religiosas do país; unimos-nos em corrente de oração em favor do povo paquistanês”.

 

Saiba mais e não fique indiferente! Assine aqui »

Departamento de Informação da Fundação AIS - info@fundacao-ais.pt


 

OBSERVATÓRIO:

 






*Sem Comentários
deixar comentario
Mês:
 

TANZÂNIA | Documentário AIS na RTP


21-08-2019

catalogo