background image

Detalhe

10-4-2017

Egipto: Dois atentados terroristas, reivindicados pelo auto-proclamado “Estado Islâmico”, provocaram dezenas de mortos e feridos em igrejas cristãs


Dois atentados terroristas provocaram ontem cerca de quatro dezenas de mortos e uma centena de feridos entre a comunidade cristã copta no Egipto.


Os atentados, já reivindicados pelo auto-proclamado “Estado Islâmico”, ocorreram durante as celebrações religiosas de Domingo de Ramos nas cidades de Tanta e de Alexandria.


O primeiro ataque aconteceu na Igreja de São Jorge, em Tanta, uma cidade situada no delta do Nilo a cerca de 100 quilómetros da capital, Cairo. O rebentamento de um engenho explosivo provocou pelo menos 25 mortos. 


Horas mais tarde, um bombista suicida fez-se explodir na Catedral de São Marcos, na cidade de Alexandria, matando 11 pessoas e ferindo mais de duas dezenas. Este atentado ocorreu numa altura em que o líder dos cristãos coptas, o Papa Tawadros II, se encontrava no templo embora tenha escapado ileso.


Todos estes ataques foram prontamente condenados pela comunidade internacional, com o Papa Francisco a enviar condolências aos cristãos deste país numa altura em que ainda tinha apenas ocorrido o primeiro atentado na igreja de São Jorge, em Tanta. 


“Ao meu caro irmão, sua santidade o Papa Tawadros II, à Igreja Copta, e a toda a querida nação egípcia envio as minhas sinceras condolências. Rezo pelos mortos e feridos, estou próximo dos familiares e de toda a comunidade”, declarou Francisco no final da Missa a que presidiu na Praça de São Pedro.


“Que o Senhor converta o coração que semeiam terror, violência e morte, e também o coração dos que fazem e traficam as armas”, disse ainda o Santo Padre que tem agendada uma viagem precisamente ao Egipto, nos próximos dias 28 e 29 de Abril.


Além de Francisco, houve mais vozes que se ergueram em condenação a estes actos bárbaros. 


Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República de Portugal, enviou uma mensagem de condolências ao seu homólogo, o marechal Al-Sisi, manifestando a solidariedade do povo português e condenando todas as manifestações de intolerância religiosa.


“Condeno veementemente estes bárbaros ataques bem como todas as manifestações de intolerância religiosa”, disse Marcelo que se encontra em Cabo Verde em visita de Estado.


“Neste momento difícil, quero transmitir a Vossa Excelência, em meu nome e em nome do povo português, toda a solidariedade para com o povo egípcio e, de modo particular, com as famílias das vítimas a quem dirigimos, através de Vossa Excelência, os sentimentos do nosso sentido pesar”, acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa nesta nota publicada na página oficial da Presidência da República na internet.


Também o presidente francês, François Hollande, manifestou a sua solidariedade após o duplo atentado.


Numa declaração escrita, Hollande afirmou que “mais uma vez”, o Egipto foi “atingido por terroristas que querem destruir a sua unidade e diversidade” e oferecendo a colaboração da França na luta contra o terrorismo. 


Estes atentados contra os cristãos coptas são bem demonstrativos de como tem aumentado a violência extremista contra esta comunidade, especialmente desde 2013, quando os militares derrubaram o presidente eleito. Desde então, os partidários de Mohammed Morsi, líder da Irmandade Muçulmana, culparam os cristãos, acusando-os de apoiarem o golpe de estado.


Em Dezembro do ano passado, 25 pessoas morreram quando uma bomba explodiu na catedral copta no Cairo durante uma celebração religiosa, e em Fevereiro militantes extremistas anunciaram que se iriam realizar mais ataques contra os coptas, que representam apenas cerca de 10% da população do Egipto.


PA| Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt 


 

OBSERVATÓRIO: Egipto

 






comentarios
 
Nome:
Francisco Franco Afonso
Comentário:
Rezemos e Lutemos contra a indiferença geral aos ataques contra cristãos.
 
deixar comentario
Mês:
 

Festa da Família - Ovar


16-06-2019

catalogo