background image

Detalhe

4-7-2017

Mali: Religiosa colombiana e missionária suíça entre os reféns capturados por jihadistas e que surgem num vídeo divulgado esta semana


São, ao todo, seis reféns estrangeiros capturados ao longo dos últimos tempos pelos jihadistas de um grupo ligado à Al-Qaeda no Mali e que surgem agora num vídeo divulgado esta semana, precisamente na altura em que decorre a visita do Presidente francês a este país.

Entre as pessoas que surgem no vídeo, que é também uma “prova de vida” destes reféns, está Gloria Cecilia Narvaez Argoti, uma freira colombiana, e Beatrice Stockly, uma missionária suíça.

Além destas duas religiosas, o vídeo divulgado pelo auto-proclamado “Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos”, uma organização terrorista ligado à Al Qaeda, mostra ainda um romeno, uma francesa, um cirurgião australiano e um sul-africano.

A missionária suíça foi sequestrada em Janeiro do ano passado enquanto que a freira colombiana caiu nas mãos deste grupo terrorista em Fevereiro passado quando se encontrava em Karangasso, junto da fronteira com o Bukina Faso.

O vídeo tem a duração de cerca de 17 minutos e dá voz a alguns dos reféns, como o sul-africano Stephen McGown, que se interroga sobre o fim do pesadelo por que está a passar. “Agora, estamos a filmar um novo vídeo, mas não sei o que dizer. Já foi tudo dito no passado, em vídeos anteriores que fiz”, afirmou.

Por seu turno, o cirurgião australiano, que se encontra em cativeiro desde o início do ano de 2015, deixa uma menagem à família: “Só quero dizer a toda a minha família que vos amo”. Este médico, de 80 anos, foi capturado juntamente com a mulher, Jocelyn, em Djibo, mas ela foi libertada pelos terroristas em Fevereiro de 2016.

Os terroristas afirmam ainda, no vídeo, que não houve ainda negociações  para libertação dos reféns.

A divulgação deste pequeno filme coincidiu propositadamente com a viagem de Emmanuel Macron ao Mali para uma cimeira com responsáveis de outros países da região – além do Mali, o Burkina Faso, Chade, Mauritânia e a Nigéria – precisamente para coordenarem o combate ao terrorismo.

Recorde-se que a França é um dos países mais envolvidos nesta luta contra a ameaça jihadista nesta região, mas outros países participam nas forças de manutenção de paz. É o caso de Portugal que destacou para o Mali um conjunto de soldados ao serviço das forças das Nações Unidas.

Um desses militares, o sargento-ajudante Paiva Benido, de 42 anos de idade, morreu no passado dia 19 de Junho na sequência de um ataque terrorista no Mali.

PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

 

OBSERVATÓRIO: Mali

 






*Sem Comentários
deixar comentario
Mês:
 

1 Milhão de Crianças Rezam o Terço


18-10-2019

catalogo