background image

Consagrados ao Coração

de Maria desde 1967

Detalhe

10-8-2017

República Centro-Africana: 50 pessoas morrem em ataque a missão católica de Gambo


"Atacaram Gambo, uma missão a 75 quilómetros de Bangassou, e mataram 50 pessoas. Degolaram vários homens e crianças. Está tudo muito tenso",  declara D. Juan José Aguirre, bispo de Bangassou na República Centro-Africana.

O prelado conta que "Há dois dias, em Gambo, chegaram os anti-Balaka para expulsar os Seleka mas depois entraram os soldados egípcios da MINUSCA (Missão das Nações Unidas para a Manutenção da Paz na República Centro-Africana) e expulsaram os anti-Balaka o que favoreceu o regresso dos Seleka que aproveitaram para vingar-se degolando algumas dezenas de pessoas". E acrescenta: "O que está a acontecer em Gambo é muito grave e terá muito eco em Bangassou".

A situação na República Centro-Africana é dramática, especialmente na cidade de Bangassou. Os jovens muçulmanos não obedecem a ninguém e só querem lutar. Ficam desafiantes diante da catedral e não deixam ninguém passar. Durante três domingos não foi possível abrir a catedral porque ninguém tinha coragem para ir até lá. Como consequência deste conflito "metade da população de Bangassou foi obrigada a fugir".

"Domingo vou celebrar a missa no Congo, perto de Bangassou, onde estão cerca de 10.000 refugiadas... Não temos confiança nos soldados marroquinos da MINUSCA", acrescentou D. Aguirre.

Em declarações à Fundação AIS, o bispo explicou que está acompanhado por três padres, como se fossem a sua guarda pretoriana: "Agora estamos todos com telemóveis. Alguns fugiram para Tokoyo para apanhar um pouco de ar, outro foi para o Congo e outros ficaram nas missões, na boca do lobo. Algumas irmãs foram para Espanha ou para o Congo fazer retiros. As suas casas foram saqueadas. Outras irmãs mudaram a formação para o Perú."

Durante as últimas semanas, no meio de um ambiente hostil e de violência que se vive em Bangassou, D. Juan José Aguirre procurou acolher os muçulmanos que estavam a ser atacados pelas milícias animistas anti-Balaka, chegando inclusivamente a protege-los, como escudo humano, para não serem mortos.

A todos os benfeitores e amigos da Fundação AIS, D. Aguirre deixou também um pedido: "Precisamos das vossas orações. É a força das vossas orações que mantem a nossa esperança de que tudo isto se resolva. Um grande abraço a todos".

Fundação AIS | www.fundacao-ais.pt

 






*Sem Comentários
deixar comentario
Mês:
 

MUSICAL | DA MÚSICA À VIDA


22-10-2017

catalogo