background image

Síria

Renascer dos escombros...

Saiba mais »

Detalhe

2-8-2018

NICARÁGUA:


Fontes próximas da Igreja Católica na Nicarágua acusam a falta de neutralidade dos meios de comunicação e pedem cautela na hora de ler as últimas notícias sobre a grave crise que o país atravessa nos últimos meses, particularmente  as que chegam através das redes sociais, muitas das quais são falsas como, por exemplo, a notícia da semana passada sobre o assassinato de D. Abelardo Mata, Bispo da Diocese de Estelí.

"A guerra que estamos a viver neste preciso momento é também uma guerra dos média, lugar para onde se deslocou grande parte deste conflito," asseguram em conversa com a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) as mesmas fontes, que preferem manter o anonimato por razões de segurança.  Ao mesmo tempo denunciam "a mentira, a confusão, o obscurantismo que estamos a viver neste momento é tão grave como o disparo de balas porque criam uma psicose de guerra, uma psicose de medo".

A imparcialidade afecta ambas as partes do conflito. "Os media afectos ao Governo não informam sobre os disparos da polícia ou dos paramilitares e quando fazem alguma referência é só para dizer que a culpa é dos Maras (grupos de crime organizado). Por sua vez, os media que não alinham com o Governo inventam rumores infundados e "também não informam se houve morte de polícias e pessoas relacionados com o regime ou quando incendeiam os escritórios das câmaras municipais. Exemplo disto seria a morte de três camponeses no passado Domingo por serem próximos da frente Sandinista, facto "que não saiu nos média que não pertençam à frente".

Novamente, de acordo com a mesma fonte, uma das maiores preocupações prende-se com a radicalização das duas frentes desde o início do conflito no passado 18 de Abril, quando os cidadãos foram convocados através das redes sociais a recusar as reformas do Instituto da Segurança Social que previa um aumento da quota a pagar pelos trabalhadores da Nicarágua e ao mesmo tempo um corte nas pensões e reduções dos apoios sociais. Os confrontos surgiram quando os partidos que apoiam o Governo do presidente Daniel Ortega saíram à rua para apoiar as reformas. Desde então a repressão e a violência por parte das forças paramilitares que apoiam o Governo, contra as pessoas que protestam não pára de aumentar.

"Importa lembrar que há 30 anos houve uma guerra civil na Nicarágua. Neste momento as feridas foram reabertas e estão a ficar cada vez mais profundas. É ódio." Por esta razão, neste momento é urgente criar "processos de reconciliação. Os verdadeiros apóstolos são aqueles que falam de perdão, perdão, perdão".

O Cardeal Mauro Piacenza, presidente internacional da Fundação AIS, ao procurar responder ao apelo dos bispos da Nicarágua no seu comunicado do dia 14 de Julho, realça a importância das campanhas de oração pela Nicarágua promovidas em diferentes países do mundo pela Fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre.

"Em tempos difíceis como estes que a Nicarágua está a atravessar, o povo vê na Igreja um grande apoio moral. Portanto é fundamental apoiar a Igreja nesta difícil tarefa. A missão central da Fundação AIS é acompanhar a ajuda pastoral com a informação, para chamar a atenção de todas as comunidades cristãs e do mundo inteiro sobre estes dramas violentos e dolorosos. Mas acompanhar também com a oração que é o motor e a força para todas as mudanças", acrescenta o Cardeal Piacenza.

Fundação AIS/ACN Portugal | info@fundacao-ais.pt

 

OBSERVATÓRIO: Nicarágua

 






*Sem Comentários
deixar comentario
Mês:
 

Concerto de Reis LISBOA


05-01-2019

catalogo