background image

Síria

Renascer dos escombros...

Saiba mais »

Detalhe

9-10-2018

Nigéria: Mãe da jovem cristã sequestrada pelo Boko Haram faz apelo lancinante para a sua libertação


É mais um apelo em lágrimas da mãe de Leah Sharibu, a jovem cristã em cativeiro do Boko Haram após ter sido sequestrada de uma escola no estado de Dapchi, no passado dia 19 de Fevereiro.

A mensagem de Rebecca Sharibu revela toda a sua angústia perante a falta de notícias sobre a  situação da filha ameaçada de morte pelo grupo islamita no passado dia 16 de Setembro, quando o Boko Haram anunciou que tinha assassinado uma trabalhadora humanitária das Nações Unidas, Saifura Ahmed Khorsa, e que iria fazer o mesmo com os outros três reféns em cativeiro. Um desses reféns é precisamente Leah Sharibu.

O prazo dado para que as autoridades cumpram com o pagamento de resgate exigido para a libertação da jovem cristã terminou no passado dia 1 de Outubro.

A jovem, de 15 anos, encontrava-se, recorde-se, numa escola na cidade de Dapchi, no nordeste da Nigéria, quando foi sequestrada pelo Boko Haram a 19 de Fevereiro juntamente com mais 109 alunas.

Um mês mais tarde, surpreendentemente, todas as raparigas foram libertadas com excepção de Leah Sharibu que recusou renunciar ao cristianismo para abraçar o Islão, como os raptores exigiam para poder ser devolvida à liberdade.

Na mensagem agora conhecida, gravada no final do mês de Setembro, a mãe de Leah garante que a sua única preocupação “é a libertação” da filha. “Estou muito agradecida a todos os que rezam por nós. Peço-vos que continuem a rezar pois Leah ainda não foi libertada. Por favor, continuem a rezar por nós.”

As palavras de Rebecca Sharibu, gravadas em vídeo, revelam bem o seu desespero quando sublinha o facto de os raptores da filha terem feito um ultimato para a sua libertação, e que “a partir de 1 de Outubro”, Leah “estaria na primeira linha para ser morta”.

Os islamitas do Boko Haram resolveram iniciar um processo negocial com as autoridades para a libertação dos reféns em sua posse. A falta de resposta levou-os a endurecer a posição, matando a trabalhadora humanitária da Cruz Vermelha, o que aconteceu a 16 de Setembro, e ameaçando fazer o mesmo com os restantes reféns, a começar com a jovem cristã.

No passado mês de Agosto, foi conhecida – como a Fundação AIS então revelou – uma mensagem áudio de Leah, em que a estudante pedia às autoridades a sua libertação. Essa mensagem foi entendida como uma prova de vida.

PA| Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt   


 

OBSERVATÓRIO: Nigéria

 






*Sem Comentários
deixar comentario
Mês:
 

Concerto de Reis LISBOA


05-01-2019

catalogo