background image

Detalhe

12-7-2019

QUÉNIA: Autores de ataque terrorista contra cristãos na Universidade de Garissa condenados a pesadas penas de prisão


Um tribunal do Quénia condenou, na semana passada, um militante islâmico a prisão perpétua em consequência da sua participação no atentado terrorista na Universidade de Garissa, em 2015, que provocou 148 mortos na sua maioria cristãos. Dois outros terroristas foram também considerados culpados e condenados, cada um, a 41 anos de prisão.

Rashid Charles Mberesero, que foi condenado à prisão perpétua, é um tanzaniano, enquanto os outros dois homens, Mohamed Ali Abikar e Hassan Edin Hassan, são quenianos.

O ataque, o segundo mais grave ocorrido até agora na história do país, foi reivindicado pelo Al-Shabaab, um grupo jihadista na África Oriental que é afiliado na al-Qaeda.

Na madrugada de 2 de Abril de 2015, um comando islamita da Al-Shabaab atacou o campus universitário de Garissa, situado no nordeste do Quénia, tendo como alvo preferencial os estudantes cristãos.

Percorrendo todo o espaço, os terroristas procuraram identificar os não-muçulmanos, assassinando-os ou fazendo-os reféns. Os militantes extremistas separavam os estudantes por religião, permitindo assim salvar os muçulmanos. Os outros eram executados.

As forças de segurança atacaram o local mas não impediram, no entanto, que 184 jovens, na sua maioria cristãos, fossem mortos pelos terroristas.


PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

 

OBSERVATÓRIO: Quénia

 






*Sem Comentários
deixar comentario
Mês:
 

INSCRIÇÃO: Peregrinação Nacional a Fátima


15-09-2019

catalogo