background image

Detalhe

17-7-2019

RCA: Igreja Católica denuncia saque de recursos naturais e violações do acordo de paz com as milícias


A Igreja Católica está a ser alvo de ameaças por denunciar as violações sistemáticas do acordo de paz assinado em Fevereiro entre o governo e 14 das principais milícias que operam no país e o saque constante dos recursos naturais da República Centro-Africana.

D. Ruiz Molina, Bispo auxiliar de Bangassou, esteve na semana passada em Burgos, Espanha, onde participou na Semana de Missiologia e expressou a sua preocupação pela deterioração da situação neste país africano.

Em declarações ao jornal espanhol Alfa&Omega, este prelado diz que todas as semanas há cerca de meia centena de violações desse acordo, com assassinatos, ocupações de edifícios, barreiras às deslocações das pessoas.

“Na província de Haut Mboumou”, que pertence à diocese de Bangassou, “o acordo não chegou. Em Paoua, no noroeste do país, o grupo armado 3R de Sidiki, um dos senhores da guerra que também é conselheiro do governo, matou 52 pessoas”, afirmou D. Ruiz.

Na sua diocese, explicou este prelado, metade da população está deslocada e há uma quase total paralisia dos serviços públicos, nomeadamente as escolas ou os centros de saúde.  

“Nada funciona, excepto os centros educacionais da Igreja. O Exército – acrescenta o Bispo comboniano ao semanário católico – comete os mesmos ultrajes que os grupos armados.”
“Sofremos um neocolonialismo selvagem”, denuncia este sacerdote ao jornal Alfa&Omega. “Eles exploram os nossos recursos naturais e deixam um grande desastre ecológico”, diz, acrescentado que tudo isto acontece perante a “passividade do governo que está a vender o país às empresas estrangeiras que, além do mais, ainda protege”.

O padre Gazzera tem documentado esta agressão patrimonial na sua página na Internet, especialmente em Bozoum, onde vive, no nordeste do país, região particularmente rica em jazidas de ouro. 

O saque destes recursos naturais está a implicar também graves danos a nível ambiental. Segundo tem denunciado o padre Gazzera, o curso de um rio já foi alterado, tem havido a utilização de mercúrio para a extração menos dispendiosa do ouro, e há registo da contaminação dos recursos hídricos e a destruição também da fauna.

Por causa das suas denúncias, as autoridades já chegaram inclusivamente a deter o padre Aurelio Gazzera durante algumas horas em 27 de Abril, confiscando a sua máquina fotográfica e telefone.


PA| Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt




 






comentarios
 
Nome:
Luis Santos
Comentário:
Paz e Bem Que a nossa senhora de Fátima vos abençoe
 
deixar comentario
Mês:
 

SOMOS CRISTÃOS. A NOSSA FÉ NÃO VAI DE FÉRIAS


22-08-2019

catalogo