<
background image

Dê aos cristãos

a oportunidade de voltar para casa

Saiba mais

 
África
Array
   Muçulmanos
   Cristãos
   Animistas
   Outras Religiões
Católicos Baptizados
934.000
Circunscrições Eclesiásticas
8
Superfície
1.284.000
População
11.506.130
Refugiados
366.494
Desalojados
126.000
Chade

 

A Constituição, que entrou em vigor em 1996,  estabelece o secularismo do Estado (Artigo 1) e garante a liberdade religiosa (Artigo 27) e a liberdade de educação para a família (Artigo 38).

Em geral, o Estado respeita este princípio, embora imponha restrições e proibições a grupos que são considerados violentos.   

Com excepção da religião autóctone, todos os grupos religiosos são obrigados a registar-se. Esta é uma formalidade que ocorre sem qualquer abuso de autoridade. A educação religiosa é permitida nas escolas privadas muçulmanas e cristãs, mas é proibida nas escolas públicas.

A coexistência entre muçulmanos e cristãos é geralmente pacífica, embora esporadicamente haja tensões devido à presença de grupos islâmicos extremistas e tensões entre grupos radicais e moderados de muçulmanos.

O Governo exerce controlo indirecto sobre as actividades dos grupos islâmicos através do Conselho Superior para os Assuntos Islâmicos, o qual, em acordo com o presidente da república, nomeia o grande imã, o líder espiritual muçulmano. O Conselho também supervisiona as actividades religiosas em geral, incluindo a supervisão das escolas muçulmanas árabes e da educação superior.

Um representante da comunidade religiosa é membro do Colégio de Gestão do Rendimento, uma entidade que participa na distribuição dos rendimentos provenientes do petróleo. Este lugar é alternadamente preenchido por um líder islâmico e por um líder cristão, mudando a cada quatro anos.

Para evitar conflitos sociais, a proibição de realizar proselitismo em público aplicada desde Julho de 2007 ainda está em vigor. Contudo, os grupos locais podem pedir permissão às autoridades para realizarem proselitismo.

Durante o período deste relatório, não foram noticiadas quaisquer alterações institucionais consideráveis, nem houve episódios significativos relativos à questão da liberdade religiosa.

 



« Voltar