Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Campanhas

VENEZUELA: Consigo damos VIDA a um país que está a morrer...

Apoiar Campanha
31 janeiro 2020

Há precisamente um ano, a Fundação AIS lançou uma campanha de emergência para mitigar a fome a milhares de irmãos que sofrem na Venezuela. Nessa altura, a generosidade dos benfeitores, cerca de 270 mil euros, transformou-se em alimentos, medicamentos e bens essenciais para a sua sobrevivência. O nosso enorme 'obrigado'!

Mas a crise profunda em que se encontra este país é inimaginável e, infelizmente, esta realidade passou para segundo plano nos meios de comunicação social do nosso país. O salário mínimo é quase nada, apenas cerca de 17 euros por mês. Os bens alimentares passaram a valer uma fortuna. Por exemplo, um litro de leite custa mais de 2 euros e uma dezena de ovos cerca de 4 euros…

E que importa o dinheiro quando as prateleiras das lojas estão quase sempre vazias? As pessoas continuam a ir buscar restos de comida ao lixo. Morre-se à fome na Venezuela!

No meio deste caos, há histórias de pessoas que não se resignam, de pessoas que dão o melhor de si em favor dos mais necessitados. É o caso de Tony Pereira. Tem 51 anos e é 'chef' de cozinha internacional na Venezuela.

O seu dia de trabalho começa às 7 da manhã. Mas às 4 da manhã, ainda de noite, sai de casa a caminho da Paróquia de San Sebastián, em Maiquetía, no município de Vargas. A primeira coisa que faz ao entrar na igreja é ajoelhar-se perante o Santíssimo e agradecer o dom da vida. De seguida, dirige-se logo para o pátio, acende o fogão de uma velha cozinha e começa a preparar o almoço para dezenas e dezenas de pessoas.


Com a falta crónica de ingredientes, Tony usa a imaginação para transformar o pouco em muito, a falta de condimentos em sabor, as panelas vazias em refeições. Hoje há frango com arroz. Tony olha em volta e faz contas de cabeça: "dez quilos de arroz e quatro galinhas..." Depois, pensa nas cerca de 150 crianças e idosos que vão aparecer ali, no refeitório improvisado no pátio interior da paróquia, para comerem a única refeição quente do dia. 

Tony não está sozinho nesta cadeia de solidariedade que nasceu na Paróquia de San Sebastián. O Padre Martin faz questão de receber à porta todos os que vão almoçar. E cumprimenta-os. Conhece quase todos. Os seus nomes, as suas histórias, as suas lágrimas.

Um deles é Filipe, tem 11 anos. “Todos os dias ele vem desde o alto da colina, empurrando o pai numa cadeira de rodas. Depois, sobe a colina novamente; pode imaginar como isso é difícil para uma criança?” Naquele dia, veio sozinho. O pai, com febre, ficou em casa. “Posso levar comida para ele numa tigela?” –pergunta o rapaz. O padre responde logo: “Primeiro, come, depois prepararemos algo para ele”. Tony também conhece muitos dos que vão almoçar à paróquia. E também conhece a história de Filipe. “É impressionante ver como ele cuida do pai doente.”

Entroncado, vestindo sempre uma jaleca branca que o identifica como cozinheiro, Tony faz questão de usar uma pequena cruz ao pescoço. E aí está representada toda a sua identidade. Um ‘chef’ cristão ao serviço dos outros.

Os avós de Tony Pereira eram portugueses! O sangue e a solidariedade portuguesa correm-lhe nas veias.

Emocionado, deixou esta mensagem para si e todos os benfeitores portugueses:

“Obrigado, amigos! Deus vos abençoe sempre! Eu digo sempre que todos somos úteis, mas só Deus é necessário. Estando com Deus, toda  a Igreja se une, para O ajudar. Porque em cada uma destas pessoas que estamos a alimentar neste momento, está o rosto de Nosso Senhor Jesus Cristo. É por isso que todos somos úteis. Bendito seja Deus. Obrigado por estarem aí.”


Na entrada da cozinha na Paróquia de San Sebastián, um cartaz pede a ajuda de todos para esta cozinha solidária. Todos nós somos chamados a ajudar. Baptizaram esta iniciativa de “gota de amor”. De facto, uma simples gota de amor transforma tudo, revela-se no ingrediente mais poderoso, faz verdadeiros milagres.



Na Venezuela, uma equipa da Fundação AIS testemunhou o sofrimento e o desespero de um povo que nada tem. Mas descobrimos também uma Igreja Católica, unida e completamente focada em dar vida a um país que está a morrer aos poucos. Leigos, como o Tony Pereira, religiosas, sacerdotes e bispos fazem os possíveis, confiados que "Deus cuidará do impossível". 

A IGREJA NA VENEZUELA PEDE A NOSSA AJUDA PARA APOIAR AS CANTINAS EM VÁRIAS DIOCESES DO PAÍS.


Apoie esta campanha »

 

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.
Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais