Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

NIGÉRIA: ‘Está a acontecer um genocídio na Nigéria’ afirma o Bispo Kukah

11 agosto 2020
NIGÉRIA: ‘Está a acontecer um genocídio na Nigéria’ afirma o Bispo Kukah
A violência sistemática contra os Cristãos nigerianos por parte dos Pastores Fulani constitui um genocídio, de acordo com o bispo católico que enfatizou que os Muçulmanos também estão a sofrer com a violência.

Após a execução de cinco trabalhadores humanitários pelo Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP), o Bispo Matthew Hassan Kukah de Sokoto afirmou à Fundação AIS que acredita que a recente violência foi de natureza genocida.

Quando questionado sobre se concordava que os assassinatos de cristãos pelos Fulani podem ser classificados como genocídio de acordo com a lei internacional, respondeu, “Acredito que sim” e acrescentou que os Muçulmanos também foram vítimas da violência: “Estes assassinatos não devem ser restringidos aos Cristãos, porque foram muito piores no norte muçulmano em estados como Katsina, Sokoto e Zamfara.”

O ISWAP divulgou recentemente um vídeo da execução dos cinco trabalhadores humanitários, três dos quais alegadamente eram cristãos, como um aviso a “todos aqueles que estão a ser usados ??por infiéis para converter muçulmanos ao Cristianismo”.

D. Kukah afirmou que “não há nenhuma disputa” e que a Nigéria é um estado amplamente falido. E acrescentou: “É um segredo antigo. Deixou mal o povo, mas as empresas de petróleo ainda estão a matar a carcaça”. Também disse que “as provas estão à vista de todos” de que a Nigéria é um epicentro do terrorismo na região.

O Bispo Kukah sugeriu que o Governo é cúmplice da violência. “Existem vários níveis de financiamento e, com o tempo, o terrorismo conseguiu financiar-se através da criminalidade, da violência, dos raptos e teme-se que o Governo possa estar a financiar estes grupos inadvertidamente, em grande parte por se terem introduzido nas agências de segurança. Os governos também pagaram grandes somas de dinheiro como resgate e também apaziguaram ostensivamente os terroristas, resgataram cidadãos raptados e assim por diante.” E acrescentou: “A ineficiência das forças armadas tornou os terroristas mais ousados ??e também há questões de cumplicidade a vários níveis.” D. Kukah criticou as potências ocidentais que pouco fizeram para ajudar a Nigéria. “Ouvimos promessas dos EUA e da Europa e todas elas deram em nada.”


Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais