Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

IRÃO: Duas mulheres cristãs detidas na prisão de Evin subscrevem carta-aberta contra as execuções sumárias no país

25 janeiro 2023
IRÃO: Duas mulheres cristãs detidas na prisão de Evin subscrevem carta-aberta contra as execuções sumárias  no país
Duas cristãs, que estão detidas na mal afamada prisão de Evin, subscreveram uma carta-aberta em que reclamam o fim dos julgamentos e execuções sumárias que o regime de Teerão tem vindo a realizar na sequência das manifestações de protesto após a morte de Masha Amini, em Setembro, pela chamada ‘polícia da moralidade’ do regime por não estar a usar de forma correcta o véu islâmico.

Na carta-aberta, que tem a assinatura, segundo a agência de notícias AsiaNews, de um total de três dezenas de mulheres iranianas, as reclusas apresentam-se como “prisioneiras políticas e por delito de pensamento” e exigem “o fim das execuções dos manifestantes e o fim das sentenças injustas impostas às prisioneiras no Irão”.

As trinta mulheres declaram que pertencem a diferentes culturas e religiões, por exemplo, cristãs, baha’is, monárquicas, marxistas ou ambientalistas, mas que “estão unidas pela batalha contra as execuções por crimes contra o Estado”.

Segundo a AsiaNews, que cita o ‘site’ “Artigo 18”, especializado na documentação dos casos de repressão na República Islâmica do Irão, as duas mulheres cristãs são Sara Ahmadi e Malihe Nazari, e cumprem respectivamente oito e seis anos de prisão por pertencerem a “igrejas domésticas”.

No mais recentre Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, editado pela Fundação AIS em Abril de 2021, refere-se que “qualquer actividade destinada a difundir o Evangelho é contra a lei” no Irão, e que “os cristãos das Igrejas não registadas, especialmente as Evangélicas, são considerados inimigos do Estado e alvo de perseguição sistemática”.

O Relatório enfatiza que os convertidos do Islamismo ao Cristianismo – a situação em que se encontram as duas mulheres cristãs que subscreveram a carta-aberta – “enfrentam sérias ameaças à sua liberdade, integridade física e vida”.

Estas duas cristãs, Sara Ahmadi e Malihe Nazari, não são as únicas que foram detidas na sequência dos protestos pela morte da jovem curda. No final do ano passado, a 26 de Novembro, Bianka Zaia, uma mulher cristã assíria de 38 anos de idade, foi também detida pela polícia e esteve na prisão de Evin, nas imediações de Teerão, a capital iraniana, acabando por ser libertada sob fiança ao fim de alguns dias.

Na altura da sua detenção, agentes da polícia estiveram na sua casa e apreenderam diversos objectos como o computador pessoal e telemóveis, “além de uma Bíblia e imagens religiosas”, segundo fontes locais citadas na ocasião pela agência AsiaNews, do Pontifício Instituto das Missões Estrangeiras.

Desde que os protestos começaram, a 16 de Setembro, calcula-se que terão já morrido mais de meio milhar de manifestantes, dos quais cerca de sete dezenas menores de idade, calculando-se ainda que terão sido detidas mais de 18 mil pessoas.

O Papa Francisco manifestou também a sua preocupação pela situação no Irão no discurso que proferiu no dia 9 de janeiro perante o Corpo Diplomático no Vaticano. “O direito à vida é ameaçado também onde se continua a praticar a pena de morte, como está a acontecer nestes dias no Irão, na sequência das recentes manifestações que pedem maior respeito pela dignidade das mulheres.”

Os cristãos são uma muito pequena minoria no Irão, apenas 0,7% da população, ou seja, cerca de 600 mil pessoas. O país é uma república constitucional teocrática estabelecida pela Revolução Islâmica de 1979, quando o Xá da Pérsia foi derrubado.

O maior obstáculo à liberdade religiosa, segundo o Relatório da Fundação AIS, é a “apostasia”, que pode dar origem a condenação à morte. Além disso, pode ler-se ainda no documento, “o Governo continua a fazer cumprir a segregação de género em todo o país” e espera-se “que as mulheres de todos os grupos religiosos adiram ao vestuário islâmico em público, incluindo cobrirem o cabelo”.

No referido Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, reconhece-se que o “sistema teocrático da República Islâmica do Irão, sob o domínio de uma casta clerical, não é compatível com muitos direitos humanos, incluindo o direito à liberdade religiosa, tal como definido pelas convenções das Nações Unidas”.



PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais