Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

MOÇAMBIQUE: “A situação é dramática” em Cabo Delgado, alerta Oliveira Martins na apresentação do Relatório da AIS sobre Liberdade Religiosa

21 abril 2021
MOÇAMBIQUE: “A situação é dramática” em Cabo Delgado, alerta Oliveira Martins na apresentação do Relatório da AIS sobre Liberdade Religiosa
O tema de Cabo Delgado esteve em destaque ontem na apresentação em Lisboa do Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo da Fundação AIS. Guilherme d’Oliveira Martins, que apresentou o documento, classificou de “dramática” a situação que se vive nesta província no norte de Moçambique, e considerou essencial a cooperação entre todas as organizações presentes no terreno no apoio às populações.

“A situação é dramática e é indispensável que todos ajudem estas populações, designadamente as instituições da sociedade civil e as organizações de base religiosa [que] não podem deixar de ter um papel positivo sobretudo na protecção das pessoas que estão vulneráveis e que são objecto de violência de morte.”

O administrador-executivo da Fundação Calouste Gulbenkian sublinhou durante a sessão de apresentação do Relatório, que decorreu ontem de manhã numa sessão virtual, o papel que o Estado moçambicano deve desempenhar neste conflito causado por grupos terroristas que têm vindo a atacar aldeias, vilas e cidades desde 2017 e que já causaram mais de dois mil mortos e mais também de 700 mil deslocados.

“É indispensável que haja uma intervenção corajosa por parte da Estado moçambicano”, disse Oliveira Martins, acrescentando que “esta questão é absolutamente crucial para não gerar situações de vazio de autoridade”. “Deve haver [também] um apoio da comunidade internacional para que não haja um vazio de autoridade e para que haja a possibilidade efectiva de protecção e de salvaguarda das populações”, disse ainda.

Posição semelhante foi tomada por Catarina Martins de Bettencourt. A directora da Fundação AIS em Portugal enfatizou o papel da sociedade civil e da Igreja no trabalho crucial de apoio às populações deslocadas pelo conflito, lembrando que “Moçambique é um dos países mais pobres do mundo, e as pessoas desta região [de Cabo Delgado] são já de si muito pobres também…”

Catarina Bettencourt lembrou ainda que a Fundação AIS pertence a uma “plataforma de várias organizações que está a tentar fazer um ‘lobby’ positivo no sentido de trazer esta questão para a agenda política de Portugal”, sublinhando ainda o papel que o governo de Lisboa pode desempenhar durante o primeiro semestre deste ano que corresponde à presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

Sobre o trabalho efectivo da Fundação AIS na ajuda humanitária às populações de Cabo Delgado, lembrou que “já no fim do ano passado” foi enviada “ajuda de emergência para a Igreja alimentar, vestir, cuidar destes milhares e milhares de deslocados”, e que sem essa ajuda, que tem de continuar, “podermos assistir a uma calamidade, uma catástrofe humanitária ainda maior”.

O caso de Cabo Delgado foi discutido já na parte final da apresentação do Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, trabalho de investigação produzido a nível internacional pela Fundação AIS. Moçambique faz parte de um conjunto de países retratados a vermelho no Mapa do Relatório por causa da “perseguição” e “discriminação” aos crentes. É um mapa que engloba o Afeganistão, o Bangladesh, mas também a China, Mianmar, Irão, Coreia do Norte, Líbia ou Índia, num total de 26 países. O caso da Índia mereceu comentários por parte de Guilherme d’Oliveira Martins, em resposta a uma questão colocada no final da sessão de apresentação do Relatório. O facto de estar agendada para a cidade do Porto uma cimeira entre a União Europeia [EU] e a Índia, no âmbito da presidência portuguesa, pode ser importante para o debate das questões relacionadas com os direitos humanos.

O administrador da Fundação Calouste Gulbenkian diz que esta é “uma questão de princípio” e que, por isso, deve ser colocada. “É indispensável que estas questões sejam colocadas com uma grande serenidade e um grande rigor”, afirmou Guilherme d’Oliveira Martins, acrescentando que “é indispensável combater a radicalização”. Por seu turno, Catarina Martins de Bettencourt lembrou que esta cimeira se afigura como “uma oportunidade” para se colocar a “questão dos direitos humanos e da liberdade religiosa, pois se olharmos para o nosso Relatório reparamos que a situação se tem deteriorado na Índia nos últimos anos”.

Também preocupante, para Guilherme d’Oliveira Martins é a situação na Europa no que diz respeito à desvalorização crescente das questões religiosas no espaço público. Respondendo a outra pergunta colocada durante a sessão de apresentação do Relatório, o antigo presidente do Tribunal de Contas disse que esta é “muito preocupante” e que “há uma menor atenção” no Velho Continente “relativamente à educação sobre as religiões e sobre o fenómeno religioso”. “Não é possível haver diálogo inter-religioso sem haver um bom conhecimento mútuo… Só há diálogo se houver um conhecimento, se houver uma troca efectiva de ideias e se salientarmos a importância crucial do fenómeno religioso…”

A questão foi também abordada pela directora do secretariado português da Ajuda à Igreja que Sofre. Catarina Bettencourt lembrou que “uma das conclusões do Relatório da AIS fala precisamente na perseguição ‘educada’ e no apagar dos símbolos religiosos na vida pública em países como Espanha ou França…” O Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo foi apresentado ontem em simultâneo em Lisboa e nas principais capitais europeias.



PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

O TERROR CHEGOU!

Cabo Delgado


Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais