Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

MOÇAMBIQUE: Ataque a aldeias e rapto de dezenas de jovens em Niassa e Cabo Delgado lança alarme entre a população

6 dezembro 2021
MOÇAMBIQUE: Ataque a aldeias e rapto de dezenas de jovens em Niassa e Cabo Delgado lança alarme entre a população
Dois ataques, um na sexta-feira, dia 3 de Dezembro, na aldeia Nova Zambézia, distrito de Macomia, Cabo Delgado; e outro, no fim-de-semana anterior, na aldeia de Naulala, província de Niassa, estão a lançar o alarme entre a população.

Se no incidente mais recente, na madrugada desta sexta-feira, dia 3, terão sido queimadas cerca de 15 casas, sem haver, no entanto, o registo de vítimas; no ataque anterior, no último fim-de-semana de Novembro, os terroristas terão raptado cerca de uma centena de jovens, além de que foram também saqueadas e incendiadas algumas habitações.

Ambas as ocorrências estão a gerar apreensão entre a população local, tanto mais que há o receio, cada vez mais insistente, de que os chamados insurgentes ou ‘al-shabaab’, como os grupos terroristas são conhecidos localmente, estarão a implantar-se já na província de Niassa podendo inclusivamente ser uma ameaça para a cidade de Lichinga.

O ataque a Naulala veio reforçar os receios de que os terroristas estarão agora espalhados por uma vasta área em consequência da operação militar em curso em Cabo Delgado e que envolve não só as Forças de Segurança e Defesa de Moçambique, mas também do Ruanda e de países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, a SADC.

Ainda no mês passado, Manuel Nota, director da Cáritas em Pemba, a capital de Cabo Delgado, afirmava à Fundação AIS que teria havido já em Setembro um ataque na zona de Meluco e que isso seria um indicador de que os grupos armados continuavam activos.

“Os terroristas estão em debandada, como dizem, e já não têm nenhuma base, mas andam pelas matas em pequenos grupos… Há grupos que já incendiaram [casas] e houve mortos”, afirmou Nota.

Sobre esse ataque em Setembro, o responsável da Cáritas não conseguiu identificar a aldeia visada pelos terroristas mas assegura que acompanhou toda a situação. “Queimaram uma aldeia na zona de Macomia, pois eu passei lá quando ia para Meluco e a aldeia estava toda queimada. Este ataque foi a 24 de Setembro”, disse ainda. Manuel Nota prestou estas informações durante a visita, em Novembro, de uma delegação da Fundação AIS à sede da Cáritas na cidade de Pemba.

Posteriormente, a 13 de Novembro, terá ocorrido outro ataque. O Padre Edegard Silva, actualmente na Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, em Mieze, confirmou também estas informações, enviadas por “dois missionários que estão na região norte” de Moçambique. “São dois relatos muito tristes que demonstram que os insurgentes estão aí, que os terroristas estão aí. São relatos muito concretos”, explicou à Fundação AIS este sacerdote brasileiro que pertence à comunidade dos missionários saletinos.

Em consequência dos ataques terroristas, que tiveram início em Outubro de 2017, calcula-se que terão perdido a vida mais de 3 mil pessoas havendo também mais de 800 mil deslocados. A Fundação AIS tem, desde a primeira hora, procurado auxiliar a Igreja de Moçambique com acções de solidariedade para com as populações mais atingidas pela violência, nomeadamente através do apoio psicossocial aos deslocados, que se está a revelar essencial para as populações atingidas pela experiência traumática associada aos ataques.



PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

REFUGIADOS MOÇAMBIQUE



Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais