Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

MOÇAMBIQUE: Diocese de Tete inicia fase diocesana para beatificação de dois jesuítas pela causa de martírio

16 novembro 2021
MOÇAMBIQUE: Diocese de Tete inicia fase diocesana para beatificação de dois jesuítas pela causa de martírio
Vai arrancar sexta-feira, dia 20 de Novembro, o processo de beatificação e de canonização de dois missionários jesuítas assassinados durante a guerra civil que fustigou Moçambique durante 16 anos.

Os dois sacerdotes, o português Sílvio Alves Moreira, e o moçambicano João de Deus foram mortos num cenário de muita violência na noite de 30 de Outubro de 1985, na localidade de Champutera, Diocese de Tete.

O Bispo, D. Diamantino Antunes, contextualiza para a Fundação AIS o incidente que agora vai ser estudado em toda a profundidade por uma equipa nomeada pelo prelado. “Tudo Aconteceu da seguinte maneira: um grupo de homens armados naquela noite invadiram a casa onde residiam, arrastaram-nos para fora, levaram-nos para um lugar isolado, apertado e, com grande violência, mataram-nos a tiro e também usando armas brancas.”

Para o Bispo de Tete, não restam muitas dúvidas de que “a razão pela qual foram mortos tem a ver com a sua acção pastoral” e isso irá agora ser avaliado com base na recolha de documentos e testemunhos. Diz ainda o prelado que ambos os sacerdotes jesuítas “eram pastores muito empenhados na defesa dos direitos humanos, da população e do anúncio do Evangelho no contexto muito difícil da revolução moçambicana de cariz marxista-leninista, e também no contexto da guerra civil”.

O facto de o país africano estar mergulhado numa guerra civil que opunha partidários do movimento Renamo e o exército, ajuda a qualificar o ataque aos dois missionários “Eles foram de facto homens de paz, de justiça e através das sua acção, da sua palavra, denunciavam os males da guerra e por isso pagaram o preço da sua ousadia e da sua coragem. Foram mortos de modo violento por razões que têm a ver com o seu agir pastoral. Há razões de fé, há razões também de justiça e de defesa da noção da paz”, explica D. Diamantino Antunes.

Para que o processo de beatificação e de canonização tenha início foi também muito importante a fama de martírio que os dois missionários granjearam ao longo do tempo junto do povo moçambicano. “De facto, após a sua morte foi crescendo, ao longo dos anos, a convicção de que são mártires, mártires da fé, mártires da esperança, e mártires da paz, porque optaram por ficar junto do povo num momento bastante difícil, quando lhes tinha sido proposto sair, ir para um sitio mais seguro, mas eles responderam que o pastor, que o bom pastor não abandona as suas ovelhas no perigo”, diz o Bispo de Tete à Fundação AIS.

A fama de martírio de que fala D. Diamantino Antunes é particularmente sentida entre a comunidade cristã local. Para eles, mas também para aqueles que já ouviram falar do testemunho dos dois jesuítas, “há a convicção de que são mártires da fé”. “E isso é muito importante para se iniciar um processo”, acrescenta o prelado. “Se não houver fama de martírio e de santidade, uma causa de beatificação e de canonização não tem pés para andar. As provas que temos, os testemunhos que estamos a recolher e sobretudo a fama de martírio são a garantia de que é uma causa que terá muitas probabilidades de chegar a bom porto.”



PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

REFUGIADOS MOÇAMBIQUE



Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais