Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

MOÇAMBIQUE: Missão católica de Nangololo, a segunda mais antiga da Diocese de Pemba, foi destruída pelos terroristas

21 novembro 2020
MOÇAMBIQUE: Missão católica de Nangololo, a segunda mais antiga da Diocese de Pemba, foi destruída pelos terroristas
“Está tudo destruído…” O relato, enviado pelo Padre Edegard Silva para a Fundação AIS em Lisboa é taxativo. A missão de Nangololo, situada no Distrito de Muidumbe, foi atacada, ocupada e destruída pelos grupos armados que estão a espalhar o terror e a morte na província de Cabo Delgado, em Moçambique.

“No dia 30 de Outubro, os terroristas voltaram a ocupar o Distrito de Muidumbe onde fica a nossa Missão”, afirma na mensagem enviada para Lisboa, o sacerdote brasileiro. “Homens armados e violentos tomam conta por vinte dias de toda área da missão…” A chegada dos terroristas levou à debandada geral da população.

“Toda população foge para o mato. Nós nos refugiamos em Pemba”, afirma ainda este missionário saletino. Durante este tempo, toda a área esteve debaixo do controle dos terroristas, que apenas abandonaram o espaço da missão católica na passada quinta-feira, dia 19 de Novembro.

Só então foi possível verificar o que aconteceu. O relato, enviado para Lisboa, não deixa margem para dúvidas face à destruição provocada na missão de Nangololo. Alguns responsáveis, “mesmo correndo perigo, foram até a Aldeia de Muambula e, com muita dificuldade conseguem ligar” para Pemba fazendo o relato da destruição.

Escreve o Padre Edegard que “está tudo destruído… a casa onde residíamos transformou-se em cinzas… todos os equipamentos foram queimados”. “O templo onde fica a sede da Paróquia destruído… a sala da rádio comunitária queimada. A casa das irmãs destruída…”.

Os relatos que chegam a Pemba não falam apenas da destruição dos edifícios da Missão, da Igreja, da Rádio e da casa das irmãs. São relatos que dão conta também de um profundo sofrimento das populações face à violência dos ataques, havendo mesmo referência a “massacres”. “Pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As ações dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas…”

O Padre Edegard Silva afirma que esta é uma situação dramática. Fala na “dor de um povo”. “Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

O missionário saleitino lembra, na mensagem enviada para a Fundação AIS, a importância da “solidariedade internacional” perante este cenário de guerra e de destruição, com a necessidade de “encaminhar hospedagem, comida, remédio, água, barracas, lonas… para 500 mil pessoas…”

Quinhentas mil pessoas é a estimativa dos deslocados em Cabo Delgado em consequência dos ataques de grupos armados que reivindicam pertencer ao Daesh, o Estado Islâmico. Calcula-se que mais de duas mil pessoas tenham já perdido a vida.


PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

O TERROR CHEGOU!

Cabo Delgado


Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais