Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

NIGÉRIA: Igreja Católica chora mais um sacerdote “brutalmente assassinado” após ter sido raptado

21 julho 2022
NIGÉRIA: Igreja Católica chora mais um sacerdote “brutalmente assassinado” após ter sido raptado
Na Catedral de São Pedro, em Kafanchan, no estado de Kaduna, vão decorrer na manhã de hoje, 21 de Julho, as cerimónias fúnebres do Padre John Mark Cheitnum. O sacerdote havia sido raptado na sexta-feira, dia 15, quando se encontrava na reitoria da Paróquia do Cristo Rei, em Yadin Garu, e terá sido “brutalmente assassinado pelos seus raptores” ainda nesse dia, segundo um comunicado que a Diocese de Kafanchan enviou para a Fundação AIS Internacional.

O corpo do Padre John Cheitnum, “já em decomposição”, foi descoberto só nesta terça-feira, dia 19. Um outro sacerdote, Donatus Cleopas, raptado também no dia 15 na mesma diocese, conseguiu escapar com vida e está são e salvo e de volta à comunidade católica local.

O Padre Cheitnum, de 44 anos de idade – o quarto sacerdote a ser morto na Nigéria no corrente ano –, era director diocesano de Comunicações, pároco em St. James e, entre outros cargos de relevo, coordenador da Associação Cristã da Nigéria no estado de Kaduna.

Maria Lozano, directora de Comunicação da Fundação AIS Internacional, conheceu este sacerdote durante uma viagem de trabalho à Diocese de Kafanchan, em 2017, e não esconde a sua tristeza e preocupação pelo que está a acontecer na Nigéria.

“É trágico”, diz Lozano, ao saber da notícia de mais um padre assassinado neste país africano. “O Padre Mark estava profundamente empenhado em dar voz às vítimas inocentes da violência na sua diocese, que são já centenas, pelo menos. Agora, tornou-se ele próprio vítima desta espiral de morte.”

A responsável da AIS recorda o padre, que conheceu num encontro com o Bispo Joseph Bagobiri, entretanto falecido, e num momento em que estava em vigor o recolher obrigatório na região. “Lembro-me que, quando visitámos o Bispo Bagobiri e o Padre Mark, havia um recolher obrigatório e não podíamos passar muito tempo na diocese e tivemos de sair à tarde porque era muito perigoso. O terror e o medo estão a afectar não só Kafanchan, mas todo o estado de Kaduna, e a violência tem-se espalhado para Benue e outras regiões do chamado Cinturão Médio.”

Durante esse encontro, o bispo expressou a sua preocupação pela pouca atenção que os ataques contra as populações na Nigéria, nomeadamente contra as comunidades cristãs, estavam a ter a nível internacional, e apontava o dedo à forma negligente como as autoridades locais lidavam com a situação. Cerca de cinco anos depois, a situação de violência na Nigéria tem vindo a agravar-se quase de dia para dia, e a atitude das autoridades mantém-se aparentemente igual. A Diocese de Kafanchan declarou dois dias de oração pelo Padre Mark e por todos os fiéis que morreram neste país.



PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

REFUGIADOS NIGÉRIA


Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais