Fundação de Ajuda à Igreja que Sofre - Fundação AIS
Rua Professor Orlando Ribeiro, 5D 1600-076 Lisboa, Portugal
(+351) 217544000 apoio@fundacao-ais.pt Fundação AIS 1995
Lisboa
https://www.fundacao-ais.pt/uploads/seo/big_1585926010_1526_logo-jpg
15 10
505152304

Notícias

PAQUISTÃO: Autoridades de Karachi destroem casas de centenas de famílias cristãs alegando serem ilegais

29 abril 2021
PAQUISTÃO: Autoridades de Karachi destroem casas de centenas de famílias cristãs alegando serem ilegais
Recentemente, as casas de cerca de 450 famílias cristãs em Hyderabad, em Karachi, foram demolidas por ordem do governo provincial de Sindh, por alegadamente serem construções clandestinas e pela necessidade de limpeza de cursos de água existentes na região.

A decisão de limpeza da área urbana foi tomada no ano passado após fortes inundações que ocorreram no espaço urbano. Caso avance na totalidade este plano, calcula-se que poderão vir a ser demolidas cerca de 14 mil habitações e 3 mil lojas. Na arquidiocese de Karachi, serão afectadas cerca de 600 famílias cristãs.

A questão é muito complexa. Anum Arif [na foto], uma voluntária da Caritas em Karachi, explicou à Fundação AIS que há centenas de famílias cristãs que habitam em bairros de lata nesta região. As casas começaram entretanto a ser assinaladas consoante a localização em que se encontram e se estão, ou não, incluídas no processo de demolição.

O tribunal ordenou que fosse dada uma compensação às famílias que vão perder as suas habitações, mas esta é também uma questão sensível. “O meu avô emigrou da província de Punjab e comprou 15 mil pés quadrados de terra a apenas 30 pés do rio. Outros parentes também possuem várias casas”, explica Anum Arif.

“As casas estão marcadas com a percentagem de demolição que vai ser realizada. Os que têm as suas casas marcadas com 100 por cento têm de as desocupar em sete dias. A nossa casa está marcada com 85 por cento. Todos nós temos os documentos do arrendamento, mas o governo de Sindh recusa-se agora a aceitá-los”, disse ainda.

Desconhece-se quais serão os valores indemnizatórios com que as autoridades pensam compensar estas famílias. Segundo revelou a voluntária da Caritas à Fundação AIS, esse valor poderá ser de cerca de 15 mil rupias por agregado familiar, ou seja, cerca de 80 euros.

“Estamos a pagar regularmente as nossas facturas de electricidade e de gás. Os departamentos governamentais aceitaram os nossos pagamentos por estes serviços públicos. Também devem ser responsabilizados”, diz Anun Arif. “O governo não partilhou detalhes sobre a operação de limpeza ou planos de reinstalação. Alugámos uma casa de dois quartos, mas muitos não têm para onde ir. Não queremos dinheiro ou terra, só precisamos de uma casa…” acrescenta esta jovem à Fundação AIS.

Esta operação governamental não atinge apenas a comunidade cristã. Cerca de 60 por cento dos que vão ser afectados são muçulmanos. Calcula-se que 10 mesquitas poderão vir a ser derrubadas se os planos avançarem como previsto.

Arif diz que estes planos de reordenamento do espaço público vão afectar acima de tudo os mais pobres do Paquistão.

“O meu pai, um trabalhador sanitário, gastou todas as suas economias para construir a nossa casa de quatro quartos e de dois andares. Eu nasci lá. Muitos tornaram-se avós depois de se casarem na mesma povoação”, diz a voluntária da Caritas que acusa o governo de não estar a cumprir com as suas promessas de criação de 10 milhões de postos de trabalho e de providenciar 5 milhões de casas para as populações mais desfavorecidas. Ao contrário disso, alerta esta jovem à Fundação AIS, “estamos a ser transformados em pessoas sem-abrigo… Os nossos sonhos foram desfeitos…”

PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Comentários

Deixar um comentário
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Observatório do país

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies.
Saiba Mais